Imprimir esta página

O CINEMA EM ALMEIRIM

O CINEMA EM ALMEIRIM

 

O Cinema em Almeirim quando se radicou, entre nós, como um dos mais populares meios de diversão, nas primeiras décadas do século XX, foi um grande acontecimento.
Antes porém, vamos rapidamente situar estes breves apontamentos na 2ª metade do século XIX, mais propriamente em 1872, quando o americano Muybridge e o engenheiro John Isaacs aperfeiçoaram o processo de captar imagens em movimento, e em 1895, os irmãos Lumiere, inventam uma máquina que fotografava e projectava imagens.
Estava criado o cinema que viria a ser conhecido pela 7ª arte e o qual, até aos nossos dias, tem passado pelas mais espectaculares transformações com as mais sofisticadas técnicas.
Em 18 de Julho de 1896 realiza-se, em Lisboa, a primeira sessão de imagens animadas e, no Verão desse ano, o portuense Aurélio Paz dos Reis, é o primeiro português a produzir um filme, rodado no Porto “A saída do pessoal operário da Fábrica Confiança”.
Em 1904 abre ao público o Salão Ideal, em Lisboa, sendo a primeira sala expressamente construída para projecção de cinema. 
A partir de então, o cinema vai chegando a várias localidades do nosso país e, em Almeirim, houve, também, algumas experiências que iam criando adeptos.
Vamos começar em 1930, ano em que se exibe, em Lisboa, o primeiro filme sonoro, por notícias publicadas no “Vale do Tejo”, existindo já nessa altura, a Associação Recreativa de Almeirim que tinha a seu cargo, a manutenção do espectáculo cinematográfico na nossa terra, realizando esta Associação, também no Salão, existente na Rua 5 de Outubro e num palco de dimensões reduzidas, agradáveis espectáculos de teatro por amadores locais e outros entretenimentos que enchiam sempre a sala.
Nesta altura as sessões eram divididas por dois lugares, conforme as estações do ano: no Inverno realizavam-se na sede da Associaçãona Rua 5 de Outubro, onde hoje se encontra a oficina da empresa Quinas e, de Verão, eram feitas ao ar livre, utilizando-se diversos lugares. Assim o “Vale do Tejo” de 6 de Julho de 1930 publica:
“Com desusada concorrência inaugurou-se em 25 de Junho, o cinema ao ar livre no pátio das antigas Cavalariças Reais, gentilmente cedido pelos proprietários”.

 


Exibiam-se com agrado geral os grandes êxitos do cinema mudo que eram acompanhados por uma orquestra.
Em 26 de Outubro, o mesmo jornal dizia: 
“Terminaram com uma bela sala de espectáculos ao ar livre promovidos pela Associação Recreativa de Almeirim. No próximo domingo reabrirá a época de Inverno na sede da mesma Associação”.
Entretanto anunciava-se a constituição de uma nova empresa para a montagem de um cinema, com comodidades idênticas aos melhores do nosso país, ficando situado numa artéria central da vila.
Em 1 de Fevereiro de 1931 surge a primeira notícia de que ia aparecer o cinema sonoro.
Em 2 de Agosto voltam os espectáculos ao pátio, começando nos finais de 1931 as obras do mercado coberto, onde, depois da sua inauguração em 31 de Julho de 1932, passou a ser o local preferido para as sessões de cinema de Verão.
Em 29 de Janeiro de 1933 o aparecimento do sonoro começava a ser um facto, desenvolvendo a direcção da Associação todos os esforços para o efeito, fazendo deslocar, até nós, alguns técnicos para estudarem a passagem a sonoro, do equipamento existente.
Foi resolvido adquirir um sistema Philisonoro que foi inaugurado no dia 22 de Junho de 1933, na abertura da época de Verão no mercado coberto e que embora tivesse registado algumas deficiências técnicas pela brevidade com que foi montado, ofereceu no domingo seguinte, um excelente programa, pois foi considerado “o melhor aparelho sonoro do distrito”.
No dia 10 de Setembro de 1933 exibiu-se o filme português “A SEVERA” que galvanizou uma enorme multidão que assistiu à sua projecção.
Entretanto, tomava vulto a ideia da construção de uma nova sala de espectáculos em Almeirim que oferecesse melhores condições aos espectadores, enquanto no pequeno écran da Associação continuavam a fazer as delicias de todos, os filmes do Maurice Chevalier, da Jeannete MacDonald, Nelson Eddy, do Tim McCoyKen Maynard, e de outros grandes nomes de então.

 

Constituída uma comissão composta por proprietários da nossa terra, foi construído o edifício do Cine Teatro, na Praça da República que teve a sua inauguração em 16 de Junho de 1940, com a peça de teatro “A INIMIGA” interpretada pela grande actriz Maria Matos.
O primeiro filme a exibir-se foi uma estreia em Portugal “A SERENATA DE SCHUBERT”., com Louis Jouvet em 20 de Junho.
O Cine-Teatro conheceu, então, a partir dai, grandes momentos de animação porque o cinema exercia um enorme fascínio sobre a população.
Por lá passaram grandes companhias de teatro de Lisboa e amadores locais, levaram ao palco espectáculos agradáveis de teatro e variedades, marcando muitos anos de interesse.
O Cine-Teatro na linha do que estava a acontecer em quase todo o país, passou por momentos difíceis de sobrevivência durante muitos anos, até que encerrou as suas portas, ficando a aguardar qual o seu destino.