Imprimir esta página

As Duas Pontes

Os concelhos de Almeirim e Santarém, encontram-se, neste momento, ligados por duas pontes: a de D. Luís que foi inaugurada em 17 de Setembro de 1881 e a de Salgueiro Maia, no dia 11 de Junho de 2000...

 

Os concelhos de Almeirim e Santarém, encontram-se, neste momento, ligados por duas pontes: a de D. Luís que foi inaugurada em 17 de Setembro de 1881 e a de Salgueiro Maia, no dia 11 de Junho de 2000.

 

Reunimos alguns elementos destes dois meios de comunicação entre as duas margens, que vieram trazer importantes benefícios para o desenvolvimento económico entre o norte e o sul, onde podemos apreciar a evolução entre as datas respectivas: 1881 e 2000.

 

A Ponte D. Luís teve o custo total de 376.353,139 reis, com o comprimento de cerca de 1.215 metros sendo composta por uma superestrutura da ponte metálica e viaduto sobre o caminho-de-ferro. A ideia da sua construção ficou a dever-se à Junta Geral do Distrito de Santarém, em 1866 e Joaquim Maria da Silva, sem duvida uma das personalidades mais evidentes em Santarém na segunda metade do século XIX.

 

Em 1868 esta ideia foi aprovada pelo Marquês da Bandeira, pois, a sua realização vinha ao encontro, também, de uma estratégia militar.
Os primeiros projectos foram elaborados em 1873, sendo adjudicada em 2 de Agosto de 1875.
Principiada a sua construção em 6 de Abril de 1876, em 6 de Junho deste ano foram lançados ao Tejo 3 caixões de ferro para servirem de fundamentos do primeiro pilar e em 12 de Agosto de 1877, foi feito o lançamento do primeiro lanço da ponte.
Em 1880 iniciaram-se os trabalhos da 2ª fase com a construção do viaduto composto por 37 pilares de ferro fundido, numa zona difícil de mouchões e pauis o que se supõe ter sido o leito por onde corria o Tejo, hoje conhecido por “Tejo Velho”.

 

Baptizada com o nome de D. Luís, em homenagem ao Rei D. Luís, em cujo reinado foi construída, no dia da sua inauguração em 17 de Setembro de 1881 realizaram-se grandes festejos nos dois concelhos assinalando tão grande como ambicionado sonho das populações.
A Ponte D. Luís foi considerada na altura, a maior da Península Ibérica, a terceira da Europa e a sexta do Mundo, ficando como um dos exemplares da arquitectura do ferro, obra de engenheiros audazes que acreditavam no ferro industrial, como novo material de construção.
Damos alguns elementos sobre a construção da ponte até ao dia da sua inauguração:
Custo total: 376.353,139 réis
Comprimento total: 1.213,179 metros
Largura: 6 metros
Altura: 22 metros

 

Em 1910 a ponte foi iluminada com candeeiros a gás e, em Abril de 1931 passou a ser utilizada a energia eléctrica.
Desde a data da inauguração até aos nossos dias, a ponte sofreu alguns melhoramentos e alterações inclusivamente no seu reforço e alargamento das faixas de rodagem.
Passados muitos anos surgiu a nova ponte à qual foi dado o nome de Salgueiro Maia, figura emblemática do 25 de Abril de 1974, como um dos heróicos Capitães de Abril que tornaram possível a liberdade no nosso país.

 

Esta nova ponte tem 570 metros, constituindo um tabuleiro e os mastros por uma peça monolítica assente em 8 pilares.
A técnica utilizada para o apoio nos dois pilares principais confere um elevado grau de isolamento sísmico.
Os mastros de 50 metros são de betão armado ao nível dos primeiros tirantes.
A fundação dos pilares dos mastros localizados no leito menor do rio, atingem a profundidade de 55 metros.

 

A Ponte Salgueiro Maia pela sua estrutura entre Santarém e Almeirim integra um lanço de 10,8 quilómetros no IC10, permitindo a ligação de qualidade entre os dois concelhos.
Entre o nó de Almeirim e o de Santarém foi construída uma estrada de quatro vias e separador central, ficando a ser considerada a 2ª maior ponte do país.
O investimento nesta obra foi de 16,2 milhões de contos e representa um grande passo para o desenvolvimento rodoviário que, além da travessia do Tejo, permite acesso à A1, a Santarém, Almeirim e Benfica do Ribatejo (EN118), a Coruche (EN114) e muito recentemente à A13.
Constitui também, uma ligação rápida entre a Auto-estrada do Norte (A1) através do nó de Santarém, a A6 de Montemor-o-Novo e a A2, pela A13 que liga Almeirim à Marateca.

 

No dia da sua abertura ao público em 11 de Junho de 2000, também os concelhos de Almeirim e Santarém se animaram, trazendo até à Ponte no limite dos dois concelhos diversos meios de animação.
No acto inaugural esteve o Primeiro Ministro Eng. António Guterres, bem como outras entidades do governo, os presidentes das duas Câmaras Municipais e muito povo que se associou ao acontecimento, para manifestar o seu apreço por mais este melhoramento.
Os festejos de inauguração culminaram, já noite dentro, com fogo de artifício.

 

Encurtando distâncias, melhorando as vias de comunicação, aproximando, em menos tempo as pessoas e as actividades económicas, estas duas pontes, em sua época, não deixarão de cumprir a sua obrigação, dando um valioso impulso para o desenvolvimento da região e, naturalmente do país.

 

 

Texto elaborado por Dr. António Cláudio